Efraim Filho diz que Santas Casas poderão ter 5% do FGTS

Para Efraim a linha de crédito representa um “fôlego” para as instituições, que acumulam dívidas de R$ 21 bilhões

“A saúde é motivo de preocupação de todos, não só dos doentes e de suas famílias”, disse o deputado federal Efraim Filho (PB).

O deputado Efraim Filho (DEM/PBPB) classifica como importante a abertura de uma linha de crédito do FGTS para Santas Casas e Hospitais Filantrópicos. A medida provisória 848 cria uma linha de crédito que destina 5% dos recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) para as entidades.

Segundo o Ministério da Saúde, isso equivale a cerca de R$ 4 bilhões este ano. Os operadores serão Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal e o Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). O risco financeiro da operação ficará com os três bancos oficiais.

“A saúde é motivo de preocupação de todos, não só dos doentes e de suas famílias”, disse o deputado federal Efraim Filho (PB).

De acordo com o parlamentar o Congresso Nacional recebeu nesta sexta-feira (17) a Medida Provisória que cria a linha de crédito citada com recursos retirados do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), para socorrer as Santas Casas e os hospitais filantrópicos que atendem pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

Na avaliação de Efraim Filho estes recursos podem fortalecer o setor permitindo melhoria dos serviços prestados à população. “Nos últimos anos as Santas Casas e os Hospitais Filantrópicos estão na sala de emergência, mas com esta linha de credito os juros aplicados podem chegar a menos de 50% do que está negociado (17% – 18%).

As entidades beneficentes sem fins lucrativos desempenham papel relevante e fundamental.  São aliadas indispensáveis do Sistema Único de Saúde e respondem por nada menos que metade das internações do SUS.

Neste ano o deputado Efraim Filho assegurou através de emendas a construção e reformas de hospitais universitário, como também garantiu que os mesmos fossem equipados com máquinas de última geração para o tratamento de câncer, cardiologia entre outras doenças.

Para Efraim a linha de crédito representa um “fôlego” para as instituições, que acumulam dívidas de R$ 21 bilhões, que levaram ao fechamento de 11 mil leitos do SUS.

Segundo o parlamentar as Santas Casas esperam negociar com o próximo governo, que será eleito em outubro e tomará posse em 1º de janeiro de 2019, o reajuste da tabela do SUS, que fixa a remuneração para hospitais da rede pública em todo o país.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *